Deus na Pessoa do Espírito Santo: Palavra que vivifica ! Salmos 119.49

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Dons e Frutos do Espírito Santo - ( Belvedere)



Por Abiezer Apolinário

O apóstolo Paulo, quando ensinou a igreja da Corinto e a da Galácia, ministrou verdades

 divinas que devem ser constantemente estudadas, para que não caiamos na situação da
 ignorância, como ele próprio disse: "Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos,
 que sejais ignorantes." (1 Coríntios 12.1). Às igrejas da Galácia, ele ministrou acerca
 do fruto do Espírito, outra grande bênção que não pode ser jamais esquecida pelo
 verdadeiro cristão (Gálatas 5.22). Entendo, porém, que está no capítulo 12 da primeira
 Carta aos Coríntios o mais completo estudo sobre a diferença  entre o fruto e os dons
 do Espírito, sendo este o texto bíblico em foco.

Não pode ser jamais esquecida a singularidade do assunto, pois Paulo não fala

 acerca dos "frutos", mas do "fruto", no singular. Assim é e deve ser dito sempre,
 no singular. Isso porque, diferentemente dos dons, o fruto é um conjunto de qualidades 
que o Espírito produz na vida do cristão, para que sua vida sirva de glorificação a Jesus.
 Por isso que Ele trabalha na vida do cristão para que seja produzido o "fruto", que não
 é constituído apenas de qualidades morais, mas, principalmente, espirituais. 
Um exemplo é a distinção espiritual entre calma e mansidão. A calma é uma atitude
 humana, resultante de esforço pessoal, de traços da personalidade ou de formação familiar. 
Enquanto a mansidão é uma ação do Espírito na vida do crente, cuja ação Paulo chamou de
 fruto.

O "fruto" é uma obra divina na vida do cristão, sendo ele gerado pelo Espírito em nós.

 Neste aspecto reside, talvez, a maior diferença entre o "fruto" e os "dons" do Espírito
. Enquanto o "fruto" é gerado em nós, os "dons" são concedidos pelo Espírito.

A frutificação espiritual do cristão não se inicia com o batismo no Espírito Santo,

 mas tem seu início no momento da regeneração, da conversão do crente, a partir da
 qual ela é demonstrada através de três procedimentos:
1. na relação do cristão com Deus, através do amor, alegria, e paz;
2. na relação do cristão com seu irmão, através da longanimidade, benignidade e bondade;
3. e na relação do cristão consigo mesmo, através da fé, mansidão e temperança.
A prova bíblica maior, como base do acima exposto, é encontrada em 1 Coríntios 13.1-3: 
"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como
 o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e
 conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de
 maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que
 distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu
 corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria".

Atentemos para os detalhes do texto destacado, especialmente o versículo 2. Posso profetizar,

 conhecer todos os mistérios e ciências e operar maravilhas como, por exemplo, pela fé,
 transportar montes (dons), mas se não tiver amor (fruto), nada seria. Ou seja, como cristão,
 pode não me ter sido concedido nenhum dom, mas não posso deixar de frutificar no Espírito;
 posso até não ser batizado no Espírito Santo, mas não posso deixar de frutificar no Espírito.

Outro ensino importantíssimo ministrado por Paulo no texto em apreço é o que prova que

 frutificar no Espírito não é um ato espiritual isolado, mas é um processo de crescimento,
 pois assim está registrado no versículo 11: "Quando eu era menino, falava como menino,
 sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei
 com as coisas de menino". Por sermos humanos e limitados, precisamos frutificar no 
Espírito para superarmos todas as limitações humanos que nos impedem de chagarmos à
 plenitude espiritual, já que, como está dito nos 9 e 10 "Porque, em parte, conhecemos,
 e em parte profetizamos; Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será
 aniquilado".

Por este ensino, podemos aprender que devemos estar frutificando no Espírito, em autêntico

 processo de crescimento que somente terminará quando chegarmos "à estatura de varão
 perfeito", pois continua ensinando Paulo:"Porque agora vemos por espelho em enigma,
 mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também
 sou conhecido" (versículo 12, de 1 Coríntios 13).
(blog Belvedere)

terça-feira, 15 de maio de 2018

Vida cristã - By Belvedere

Ética Cristã e Sexualidade

INTRODUÇÃO

A sexualidade não deveria jamais ser tratada como tabu, pois é parte natural e integrante de cada indivíduo. O relacionamento sexual é uma dádiva que o Criador concedeu ao primeiro casal, bem como às gerações futuras (Gênesis 2.24).

Se precisássemos de uma razão para explicar porque Deus uniu as primeiras pessoas no Éden, poderíamos declarar que o motivo foi a preservação da família e que a união conjugal pautada nas Escrituras Sagradas legitima a procriação (Gênesis 1.27,28; Salmos 139.13-16).


I - SEXUALIDADE: CONCEITOS E PERSPECTIVAS BÍBLICAS

Se por um lado a atividade sexual tem seu conceito deturpado na sociedade pós-moderna, por outro lado alguns cristãos insistem em tratá-la como temática proibida. Embora possa trazer incômodo para alguns, a sexualidade humana não pode ser desconsiderada por ninguém.

1. Conceito de Sexo e Sexualidade.

Sexo e sexualidade possuem conceitos próprios, ambos constituem-se atos da criação divina. A união estável de homem e mulher conduz a complementação sexual, e a Igreja abençoa no sacramento do matrimônio.

Relativamente, em biologia, o termo "sexo" se refere a uma condição de espécie orgânica que apresenta de maneira clara e inequívoca a diferenciação entre macho e fêmea, o homem da mulher, seja em seres humanos, plantas e animais.

O termo "sexualidade" tem aspectos gerais, como sua relevância, sua legitimidade, sua instituição divina, indissolubilidade, e importância, etc. Representa o conjunto de comportamentos de pessoas que estão relacionadas com a busca da satisfação do apetite sexual;  retrata ações e práticas, seja pela necessidade do prazer ou da procriação do gênero humano.

Segundo as Escrituras, o homem surgiu como alvo de toda a atividade criadora no que diz respeito à terra como habitação especial. Desde o princípio a sexualidade não é símbolo de impureza. Deus não faria nada ruim. Ele planejou e formou o homem, a “coroa da criação”, numa totalidade, incluindo o sexo.  

2. O sexo foi criado por Deus.

As mãos que elaboraram o cérebro, também fizeram os órgãos sexuais masculino e feminino. Aquele que fez a mente, fez também o instinto sexual. A íntima junção de corpos é uma criação divina. O contato íntimo não pode ser considerado sujo e indecente; não deve ser tratado como atitude obscena e desprezível. Ao contrário, se dentro do casamento, que é a união legítima entre um homem e uma mulher, o sexo é algo sublime, digno e bonito.

O enlace matrimonial faz parte do plano de Deus, é a condição que torna o sexo em causa de satisfação pessoal ao casal. O que transforma o sexo uma relação abominável por grande número de pessoas é o seu uso antibíblico (Oseias 4.12; 5.4, Romanos 1.26-27). Com a Queda no Éden, no lugar de aceitação veio vergonha; alegria e amor foram marcados pela dor, pela luxúria e repressão (Gênesis. 3.7, 16). O uso da sexualidade desordenada é uma das razões porque o Pentateuco refere-se às expressões sexuais como uma fonte de impureza cerimonial (Levítico 15.1-18).

No que se refere a viver segundo a vontade de Deus, em relação a sexualidade, é necessário a cada um de nós orientar-se pelos princípios morais e éticos das Escrituras Sagradas. O escritor de Provérbios (5.18-23). recomenda aos cônjuges que desfrutem do sexo, sem neste caso referir-se ao ato procriativo. 

3. A sexualidade é criação divina.

Ninguém ensina ao bebê mamar o leite maternal, porque ele nasce dotado do instinto de sobrevivência. Ele cresce e passa a fazer amizades, assim demonstra ter instinto gregário. Caso a criança se sinta ameaçada, reage defensivamente pois há o instinto de preservação da vida. E neste grupo de estímulos, está contido o impulso sexual que define a tendência de preservação da espécie.

A sexualidade, em conformidade aos sentidos vitais da constituição e amadurecimento da personalidade, envolve objetivo e componentes mais amplos que a fraternidade. O amor conjugal compõe o instinto sexual, feito de partes psicológicas nutridas nas qualidades físicas dos cônjuges.

A sexualidade ideal do Éden mudou com a queda. O pecador desvirtua o impulso, gera as muitas degradações que desestruturam a sociedade: a depravação física; a baixeza ética e a vileza moral. Contudo, tal situação lamentável não anula o plano do Criador de manter a existência da espécie humana por meio da sexualidade saudável.

Quando se aceita que o desejo humano prevaleça sobre a vontade de Deus, surge a semente da teimosia, esta provoca o endurecimento do coração e morte espiritual.


II – O PROPÓSITO DO SEXO SEGUNDO AS ESCRITURAS

Os nossos corpos são membros de Cristo e templo do Espírito Santo e não podem servir a promiscuidade (1 Coríntios 3.16 e 6.13, 15, 16). São consideradas práticas sexuais ilícitas: adultério (Êxodo 20.14); incesto (Levíticos 18.6-18); zoofilia  (Levítico 18.23); e homossexualidade (Romanos 1.26-27).

O propósito do casamento é "um homem para cada mulher e uma mulher para cada homem". Esta doutrina também foi apresentada por Jesus: "deixará o homem pai e mãe, e se unirá à sua mulher" (Gênesis 2.24). Mateus 19.5).

As referências bíblicas de Eclesiastes (9.9) e Cantares (4.1-12; 7.1-9) advertem quanto ao adultério. Nos levam a estar conscientes que pessoas casadas têm o direito legítimo de desfrutar a sexualidade de maneira exclusiva com quem se casou. A legitimidade cristã para a satisfação dos apetites sexuais restringe-se ao casamento monogâmico heterossexual (1 Coríntios 7.9).
1. Multiplicação da espécie humana.

Em Gênesis, capítulo 1 e versículos 18 ao 23, lemos sobre a afirmação do Senhor dizendo que uma raça assexuada ou unissexuada não seria boa. Há o anúncio do propósito divino em criar a companhia feminina para Adão, a companheira idônea capaz de estar no mesmo plano físico, mental, moral e espiritual com ele. Deus fez Eva a partir de Adão e a apresentou a ele para ser sua esposa. Assim está definida a pureza do casamento: um homem, uma mulher, uma só carne (Gênesis 2.18-25).

Deus, ao criar Adão e Eva, quis que os primeiros seres humanos dessem continuidade à espécie. Com propósitos específicos, puros e elevados, dotou-os de sexualidade plena, deu a ambos a constituição físico-emocional atrelada ao instinto e à aptidão ao ato sexual que os capacitou para a reprodução e preservação da espécie humana. Inclusive, diante disso, está registrado na Bíblia: “viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom e foi a tarde e a manhã: o dia sexto” (Gênesis 1.27, 31).

O homem participa da criação ao reproduzir-se. A procriação é o ato criador do Eterno através do homem. Deus criou o ser humano com a capacidade reprodutiva, instituiu o matrimônio e a família, visando a legitimação desse maravilhoso e sublime processo que a mente da humanidade jamais poderá explicar. “Frutificai e multiplicai-vos”, foi a ordem do Criador (Gênesis 1.27,28).

2. Satisfação e prazer conjugal.

Pesquisadores descobriram um hormônio chamado 'ocitocina'. Essa substância química, conhecida como 'hormônio do amor" é liberada no cérebro durante o prelúdio e ao longo do sexo em si. Ela produz efeitos de empatia, confiança e profunda afeição.

De acordo com as Escrituras Sagradas, o objetivo primordial do sexo é fazer o casal procriar. Mas está claro que entre outros motivos para Deus dar origem ao sexo é o homem encontrar satisfação plena no corpo da mulher e vice-versa (Eclesiastes 9.9).

O texto de Provérbios 5.18,19 fala claramente da recreação física e do benefício humano em um nível biológico proveniente do sexo: "Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade, como a cerva amorosa e gazela graciosa; saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê atraído perpetuamente". Claramente, os versículos 19 ao 23 recomendam aos cônjuges que desfrutem do sexo, sem referir-se, neste caso, ao ato procriativo; de maneira evidente incentivam a valorizar a união conjugal honesta e santa, visivelmente exaltam a monogamia e a fidelidade.

No Antigo Testamento, por determinação do Senhor, a “lua de mel” durava um ano (Deuteronômio 24.5).

3. O correto uso do corpo.

Os deleites físicos e emocionais, decorrentes do relacionamento conjugal fiel, são propostos por Deus e por Ele honrados. Apenas o ato sexual monogâmico, entre homem e mulher casados entre si, é abençoado por Deus. O desvio do padrão santo implicará punição aos que praticam a imoralidade.

O plano divino sempre foi um único homem para uma única mulher, a união sexual monogâmica, entre o marido e a sua esposa, os consortes formando uma só carne. Deus condena de maneira enérgica a poligamia (Provérbios 5.17, 18).

A sonhada felicidade a dois exerce papel importante ao relacionamento entre os cônjuges. A relação feliz é resultado da harmonia espiritual, cordial, física e emocional. Não é conquistada por meio de abstrações ou estratagema intelectual de um ou de outro. É resultado da observância de regras bíblicas voltadas ao relacionamento interpessoal.  

A convivência amorosa, recíproca e sincera, é um preceito primário da preservação do casamento e de toda família. A aliança matrimonial produz filhos que serão, ou deveriam ser, criados para servirem a Deus. Após os filhos deixarem o lar, pai e mãe preenchem a ausência, desde que exista entre ambos o companheirismo sob as bênçãos de Deus.



Ill - O CASAMENTO COMO LIMITE ÉTICO PARA O SEXO

O matrimônio foi instituído por Deus em caráter indissolúvel e como limite ético dos impulsos sexuais. A união conjugal é a relação legítima onde a cópula pode ser realizada sem que se incorra em atos pecaminosos. (Gênesis 2.18; Mateus 19.4, 5, 8).

1. Prevenção contra a fornicação.

A fornicação é o contato sexual entre pessoas solteiras, ou entre uma pessoa casada com uma pessoa solteira. A ordem de crescer e multiplicar não foi dada a solteiros, mas a casados (Gênesis 1.27,28). Deus não quis que o homem vivesse só e lhe deu uma mulher para ser sua esposa, cujo biotipo já era de alguém em fase adulta, fisicamente preparada para a união conjugal.

Durante a passagem de Paulo por Corinto, havia naquela cidade o templo pagão dedicado a deusa Vênus. Ali, mil sacerdotisas, prostitutas, mantidas às expensas do povo, permaneciam prontas para se entregar aos prazeres imorais, como culto a falsa deusa. Alguns cristãos coríntios, que se davam a essa religião, consideravam difícil acostumar-se com a doutrina apregoada pelo cristianismo, que proibia a prática devassa. Enfaticamente, Paulo orienta os cristãos a se casarem, para evitar a fornicação, e proíbe o desregramento sexual (1 Corintios 7.2, 12).

A intimidade e interação sexual é privativa dos casados. O ensino bíblico sobre sexo é que o homem deve desfrutar o relacionamento íntimo com a esposa de modo natural, racional, sadio e amoroso; mas jamais com a namorada ou noiva ou alguém sem nenhum compromisso ou vínculo afetivo.

A sexualidade descontrolada, é descrita nas Escrituras como concupiscência da carne, é a responsável pelos desvios de comportamento que arrastam o ser humano à transgressão carnal da lascívia. Os fornicadores não entrarão no céu: 1 Coríntios 6.18; Gálatas 5.19; Apocalipse 21.8.

2. O casamento e o leito sem mácula.

"Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros Deus os julgará" - Hebreus 13.4. Neste texto, "desonra" diz respeito ao uso do corpo para práticas sexuais ilícitas com ênfase nos casos de relações extraconjugais, com pessoas solteiras ou compromissadas em outro casamento (Mateus 19.9; 1 Coríntios 6.10).

Segundo a vontade de Deus, o casamento deve ser respeitado por todos, não pode ser maculado por ninguém. Alguns desonraram a união conjugal. Embora, muitas vezes, escapem da reprovação humana, porém não escaparão do juízo divino (Mateus 19.6; Naum 1.3).

A mídia consente, promove e exalta o erotismo, a lascívia, a prostituição, e o sexo fora do casamento. De modo irresponsável e pecaminoso, incentiva a prática sexual como instrumento de prazeres egocêntricos. Cabe ao cristão ignorar essas sugestões antibíblicas e cumprir o propósito estabelecido por Deus para a sexualidade.  

A relação sexual entre pessoas casadas deve ser exclusiva. 1 Coríntios 7.2, 3, 5 nos diz: "Por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido. O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido.' (...) 'Não vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e, depois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência".

CONCLUSÃO

O propósito original de Deus para a sexualidade é que tanto o homem quanto a mulher vivam uma vida feliz como esposo e esposa. E para atingir esta meta no casamento, é necessário cumprir o compromisso diário de fidelidade e respeito ao parceiro, ou parceira de núpcias. Tal aliança implica direitos e deveres recíprocos entre as partes envolvidas.

Em sua vida de casado ou casada, é preciso que mantenha postura equilibrada e responsável, firmada nas promessas contidas na Palavra de Deus. Se você percebe que não cumpre corretamente seu papel no casamento, ainda é tempo de se corrigir. Em primeiro lugar, reconheça o seu equívoco, busque o perdão do Senhor e do seu cônjuge. Depois, recomece com oração e fé em Deus,. Com essas atitudes, o Senhor lhe dará graça para viver de acordo com os preceitos bíblicos. O apóstolo Paulo afirma que o Senhor nos abençoou com todas as bênçãos, isto inclusive significa a habilidade para fazer do casamento um sucesso (Efésios 1.3). A presença de Cristo no casamento é garantia de alegria duradoura (João 2.1-11).

terça-feira, 1 de maio de 2018

Eu tenho dado a Deus, infinitos motivos para que Ele desista de mim. Tenho sido uma filha que se curva perante as decepções. A falta de fé e o desânimo dominavam meus dias, cobrindo-me com um névoa negra de insuficiência.

Eu tenho deixado os meus dias se tornarem infelizes, por problemas pessoais, quando eu devia olhar apenas para Cristo e no amor dEle por mim. Eu tenho dado a Deus, infinitas possibilidades para que Ele vire as costas e me deixe aqui.

 E o incrível, é que Ele não vai. Nunca vai.

Imagino que encostado na porta do meu quarto, me vendo chorar pelas madrugadas, olhando sereno para mim, me contempla sofrer. Mas Ele não vai embora. Nunca foi. É quando o mundo desaba na minha cabeça e me mostra todas as possibilidades de uma vida infeliz e devastadora, que dou meus motivos para que Ele vá.

 Eu peço que Ele desista de mim, que sou um plano falho. Mas, Ele não desiste, nunca desistiu. As vezes, eu sinto raiva dEle e reclamo da vida que me deu. E Ele? Sente amor por mim. Eu me envergonho. Porque, eu já desisti tantas vezes de ser sua filha, mas Ele, nunca desistiu de ser meu pai.

—  Ao Criador da minha existência.
(Anelise Cristine)

sexta-feira, 23 de março de 2018

ORAÇÃO ÁRABE:
Deus, não permita que eu seja o carrasco que sangra as ovelhas, nem uma ovelha nas mãos dos carrascos.
Ajuda-me a dizer sempre a verdade na presença dos fortes,e jamais dizer mentiras para ganhar aplausos dos fracos.
Meu Deus!
Se me deres a fortuna, não me tires a felicidade;
se me deres a força, não me tires a sensatez;
se me for dado prosperar, não permita que eu perca a modéstia,conservando apenas o orgulho da dignidade.
Ajuda-me a apreciar o outro lado das coisas, para não enxergar a traição dos adversários, nem acusá-los com maior severidade do que a mim mesmo.
Não me deixes ser atingido pela ilusão da glória, quando eu for bem sucedido, e nem desesperado, quando eu fracassar.
Lembra-me que a experiência do fracasso poderá proporcionar um progresso maior.
Oh! Deus!
Faze-me sentir que o perdão é a maior demonstração de força, e que a vingança é prova de fraqueza.
Se me tirares a fortuna, deixe-me a esperança.
Se me faltar o bem-estar da saúde, conforta-me com a graça da fé.
E quando me ferir a ingratidão e a incompreensão dos meus semelhantes, cria em minha alma a força da desculpa e do perdão.
E, finalmente Senhor, se eu Te esquecer, te rogo mesmo assim, que nunca Te esqueças de mim!"

Autor não identificado (Traduzida por Seme Draibe, avô de meu amigo Prof. Douglas, da EMEF Dr. José Pedro Leite Cordeiro)

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Portal Cristo

Veja quais são os 10 países mais perigosos para se seguir Jesus Cristo e você não sabia

Um em cada 12 cristãos no mundo vive em lugares onde o cristianismo é proibido. Nesses países, os seguidores de Jesus sofrem violência, hostilidade e perseguições.
Somente em 2017 pelo menos 3 mil cristãos foram mortos e mais de 700 igrejas foram destruídas, segundo o último relatório World Watch List.
Compilado pelo Open Doors USA, o documento lista os países onde os praticantes do cristianismo são mais severamente reprimidos.
A Coreia do Norte lidera o ranking pelo décimo ano consecutivo seguida de países onde o islamismo radical “é o principal e dominante motor da perseguição”.
Segundo o relatório, o aumento do ‘nacionalismo religioso’ é outro fator de pressão contra os cristãos, onde os governos desses países favorecem a religião oficial em detrimento das outras, um movimento que tem se verificado em regiões da Ásia, como Índia e Nepal.
Confira a seguir os países mais perigosos para seguir Jesus Cristo

1. Coreia do Norte

População total no país: 25.405.000
Número de cristãos: 300.000
A ditadura coreana é a principal opressora do cristianismo. Num país em que vigora a ideologia Juche, criada pelo líder supremo Kim Il-Sug, o cristianismo visto como um elemento hostil na sociedade e, por isso, deve ser erradicado.  O relatório afirma que os vizinhos e até membros da família entregam os praticantes cristãos para as autoridades.

2. Afeganistão

População: 34.000.000
Número de cristão: indefinido
O islamismo é a religião oficial do regime que é governado pelos Talibã, uma versão radical do Islã. Os cristãos do país são convertidos à força e impedidos de professar sua fé, mesmo dentro de suas casas. Funcionários do governo e simples cidadãos demonstram hostilidade aos religiosos de qualquer outra fé.

3. Somália

População: 14.320.000
Número de cristãos: indefinido
A exemplo do Afeganistão, o Islã é a religião oficial da Somália. As madraças – escolas que estudam o islamismo -, mesquitas e o grupo radical islâmico Al Shabab declaram guerra pública aos cristãos, afirmando que não há lugar para eles no país.

4. Sudão

População: 42.166.000
Númerto de cristãos: 1.996.000
Segundo o relatório, a perseguição aos cristãos é feita pelo governo e grupos extremistas que são remanescentes de uma política de limpeza étnica. A liberdade religiosa e de de expressão é extremamente sufocada pelo governo ditatorial do presidente al-Bashir, que adotou uma política de ‘uma língua, uma cultura de uma religião’.

5. Paquistão

População: 196.744.000
Número de cristãos: 3.938.000
Grupos islâmicos radicais que florescem sob a tutela do governo, do exército e de partidos políticos são os principais algozes dos cristãos nesse país. Os grupos radicais controlam as madraças e encorajam os jovens a perseguir os seguidores de Jesus Cristo e quaisquer outra religião. Muitas vezes, o principal inimigo dos cristãos é a própria família, para a qual a conversão ao cristianismo é considerada uma vergonha.

6. Eritreia

População: 5.482.000
Número de cristãos: 2.741.000
Tanto a cultura nacional como o governo são fatores de perseguição da fé cristã. O presidente Afwerki é conhecido pelo seu regime autoritário. Cristãos são presos, assediados e assassinados por serem ‘agentes’ infiltrados da civilização ocidental, segundo o relatório.

7. Líbia

População: 6.409.000
Número de cristãos: 41.000
No país destruído pelos Estados Unidos, que mergulhou em guerra civil depois dos bombardeios americanos, a impunidade reina para militantes islâmicos e grupos criminosos, que perseguem cristãos.

8. Iraque

População: 38.654.000
Número de cristãos: 258.000
O temível e sanguinário Estado Islâmico, o ISIS, que surgiu na região depois da destruição do país romovida pelos Estados Unidos,  persegue cristãos nas áreas sob o seu domínio. Os elementos do ISIS tem por prática decapitar suas vítimas cristãs em vídeos ao vivo no Youtube para aterrorizar a população ocidental.

9. Iêmen

População: 28.120.000
Número de cristãos: indeterminado
Depois que a Arábia Saudita invadiu o país para derrubar o governo, foi deixado um vácuo no território onde grupos como a Al Qaeda e também o Estado Islâmico tomaram conta e expandiram suas operações, perseguindo os cristãos.

10.  Nigéria

População: 80.946.000
Número de cristãos: 800.000
Milhares de cristãos foram sequestrados ou mortos depois que o grupo terrorista Boko Haram ganhou destaque na mídia.  No norte do país, os cristãos são tratados como cidadãos de segunda categoria. Aldeias cristãs tem o acesso negado a recursos do governo e as crianças cristãs não são autorizada a frequentar as escolas do governo.

sábado, 30 de dezembro de 2017

Vida eterna ! ( Tessalonicensses 4 )

1 Finalmente, irmãos, vos rogamos e exortamos no Senhor Jesus que, como aprendestes de nós de que maneira deveis andar e agradar a Deus, assim como estais fazendo, nisso mesmo abundeis cada vez mais.   
2 Pois vós sabeis que preceitos vos temos dado pelo Senhor Jesus.   
3 Porque esta é a vontade de Deus, a saber, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição,   
4 que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santidade e honra,   
5 não na paixão da concupiscência, como os gentios que não conhecem a Deus;   
6 ninguém iluda ou defraude nisso a seu irmão, porque o Senhor é vingador de todas estas coisas, como também antes vo-lo dissemos e testificamos.   
7 Porque Deus não nos chamou para a imundícia, mas para a santificação.   
8 Portanto, quem rejeita isso não rejeita ao homem, mas sim a Deus, que vos dá o seu Espírito Santo.   
9 Quanto, porém, ao amor fraternal, não necessitais de que se vos escreva, visto que vós mesmos sois instruídos por Deus a vos amardes uns aos outros;   
10 porque certamente já o fazeis para com todos os irmãos que estão por toda a Macedônia. Exortamo-vos, porém, irmãos, a que ainda nisto abundeis cada vez mais,   
11 e procureis viver quietos, tratar dos vossos próprios negócios, e trabalhar com vossas próprias mãos, como já vo-lo mandamos,   
12 a fim de que andeis dignamente para com os que estão de fora, e não tenhais necessidade de coisa alguma.   
13 Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais como os outros que não têm esperança.   
14 Porque, se cremos que Jesus morreu e ressurgiu, assim também aos que dormem, Deus, mediante Jesus, os tornará a trazer juntamente com ele.   
15 Dizemo-vos, pois, isto pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que já dormem.   
16 Porque o Senhor mesmo descerá do céu com grande brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.   
17 Depois nós, os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor.   
18 Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.

Eu resolvi esperar

Existe um movimento entre a nova geração chamado 'Eu Escolhi Esperar'. Como é legal ver jovens e adolescentes que decidiram se guardar sexualmente no meio de uma cultura imediatista, permeada por sexo e incentivadora da cultura do “matar o desejo”.
Mas infelizmente, quando se trata de casamento, o desafio não é só “esperar”. É preciso também trabalhar e amadurecer! O casamento e tudo que se vive nele, não depende só da espera. Tenho aconselhado muitos jovens que se casaram virgens, ou até namoraram com “corte”, mas que no primeiro ou segundo ano de casamento já estão buscando o divórcio. Os motivos maiores se encontram no coração egoísta de uma geração que vive a tirania da felicidade ou da realização pessoal e na postura de imaturidade em tudo que se refere a 'trabalho'.
A bíblia diz que casamento é coisa de gente grande, é preciso “deixar pai e mãe” para tornar-se “uma só carne”. Isso significa que é preciso ser minimamente maduro para se assumir um lar. Isso envolve maturidade emocional, espiritual e financeira.

Muitos jovens estão se casando sem cumprir os ciclos antes do casamento. São emocionalmente frágeis, espiritualmente perdidos e financeiramente desestruturados. O sábio disse: Termine primeiro o seu trabalho a céu aberto; deixe pronta a sua lavoura. Depois constitua família (Provérbios 24.27). Isso significa que preciso completar ciclos importantes da vida antes de casar, como pensar e trabalhar pelo sustento antes do casamento. Isso não significa ter muita grana, ser rico, mas é necessário o mínimo para deixar pai e mãe e assumir um lar. Muitos falam da “estabilidade” financeira, mas a palavra estabilidade significa firmeza, constância. Você pode ter estabilidade financeira ganhando pouco, isso depende da sua "firmeza" no lidar com as finanças, impulsos, desejos consumistas e criar um padrão simples, seguro para sua família, esposa e filhos.
O problema é que por serem imediatistas, egoístas e mimados, muitos jovens tem encontrado problemas no que se refere ao trabalho. Vivem em busca de fantasias e atalhos, um trabalho que “os realize pessoalmente” e que dê muito dinheiro com o mínimo esforço. Sua máxima é “faça o que você gosta e então nunca precisará trabalhar”. Isso é ridículo! Deveríamos dizer “Gostando ou não do que você faz, faça o melhor, dê o seu melhor”. O segredo do crescimento em qualquer área da vida tem a ver com dedicação, esforço, submissão e busca pela excelência. Não existem atalhos!

Precisamos entender que nenhum trabalho é insignificante e que, como disse Tim Keller, "todo e qualquer trabalho humano não é apenas uma tarefa, mas um serviço que prestamos ao próprio Deus". Vocação não é fazer o que nós gostamos, mas fazer aquilo que Deus nos chamou pra fazer! Pare de perguntar "o que Deus quer de mim?" e comece a dar o seu melhor onde você está! Entenda que Deus te colocou aí, e que através desse trabalho duro você está sendo trabalhado: “o trabalhador faz a coisa e a coisa faz o trabalhador”, disse Vinicius de Moraes. Trabalhar é bom e nos faz amadurecer!

Casamento também dá muito trabalho. Na busca pela felicidade muitas jovens hoje querem se casar, mas não querem ser esposas. Muito meninos querem se casar mas não querem assumir a responsabilidade de serem maridos, líderes espirituais, pastoreando suas esposas e filhos. Jovens que querem viver um grande amor, mas que não entendem que a química não basta, é preciso muito trabalho, dedicação e sacrifício. Esse é o problema, estamos diante de uma geração que tem dificuldade em “construir”, porque recebeu durante toda a vida as coisas prontas, de mão beijada. É uma geração que abre mão de qualquer coisa tão logo começa a doer ou exige renúncia. Trabalhar dá trabalho. Amar também dá trabalho.

É por isso que não basta esperar, é preciso trabalhar, amadurecer, amar e se submeter. É isso que Jesus nos ensina. Portanto, CRESÇA! Se você tem tido dificuldades, procure ajuda, procure um mentor. E entre nessa campanha também: Eu escolhi trabalhar!

Texto Original: Eu escolhi trabalhar
Autor: Tiago Mattes

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

coração são laços e redes... Eclesiástes – Capítulo 7

1 Melhor é o bom nome do que o melhor ungüento, e o dia da morte do que o dia do nascimento.   
2 Melhor é ir à casa onde há luto do que ir a casa onde há banquete; porque naquela se vê o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração.   
3 Melhor é a mágoa do que o riso, porque a tristeza do rosto torna melhor o coração.   
4 O coração dos sábios está na casa do luto, mas o coração dos tolos na casa da alegria.   
5 Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ouvir alguém a canção dos tolos.   
6 Pois qual o crepitar dos espinhos debaixo da panela, tal é o riso do tolo; também isso é vaidade.   
7 Verdadeiramente a opressão faz endoidecer até o sábio, e a peita corrompe o coração.   
8 Melhor é o fim duma coisa do que o princípio; melhor é o paciente do que o arrogante.   
9 Não te apresses no teu espírito a irar-te, porque a ira abriga-se no seio dos tolos.   
10 Não digas: Por que razão foram os dias passados melhores do que estes; porque não provém da sabedoria esta pergunta.   
11 Tão boa é a sabedoria como a herança, e mesmo de mais proveito para os que vêem o sol.   
12 Porque a sabedoria serve de defesa, como de defesa serve o dinheiro; mas a excelência da sabedoria é que ela preserva a vida de quem a possui.   
13 Considera as obras de Deus; porque quem poderá endireitar o que ele fez torto?   
14 No dia da prosperidade regozija-te, mas no dia da adversidade considera; porque Deus fez tanto este como aquele, para que o homem nada descubra do que há de vir depois dele.   
15 Tudo isto vi nos dias da minha vaidade: há justo que perece na sua justiça, e há ímpio que prolonga os seus dias na sua maldade.   
16 Não sejas demasiadamente justo, nem demasiadamente sábio; por que te destruirias a ti mesmo?   
17 Não sejas demasiadamente ímpio, nem sejas tolo; por que morrerias antes do teu tempo?   
18 Bom é que retenhas isso, e que também daquilo não retires a tua mão; porque quem teme a Deus escapa de tudo isso.   
19 A sabedoria fortalece ao sábio mais do que dez governadores que haja na cidade.   
20 Pois não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque.   
21 Não escutes a todas as palavras que se disserem, para que não venhas a ouvir o teu servo amaldiçoar-te;   
22 pois tu sabes também que muitas vezes tu amaldiçoaste a outros.   
23 Tudo isto provei-o pela sabedoria; e disse: Far-me-ei sábio; porém a sabedoria ainda ficou longe de mim.   
24 Longe está o que já se foi, e profundíssimo; quem o poderá achar?   
25 Eu me volvi, e apliquei o meu coração para saber, e inquirir, e buscar a sabedoria e a razão de tudo, e para conhecer que a impiedade é insensatez e que a estultícia é loucura.   
26 E eu achei uma coisa mais amarga do que a morte, a mulher cujo coração são laços e redes, e cujas mãos são grilhões; quem agradar a Deus escapará dela; mas o pecador virá a ser preso por ela. 
27 Vedes aqui, isto achei, diz o pregador, conferindo uma coisa com a outra para achar a causa;   
28 causa que ainda busco, mas não a achei; um homem entre mil achei eu, mas uma mulher entre todas, essa não achei.   
29 Eis que isto tão-somente achei: que Deus fez o homem reto, mas os homens buscaram muitos artifícios.

sábado, 23 de dezembro de 2017

Glorioso és Senhor !!!

Salmos – Capítulo 29

1 Tributai ao Senhor, ó filhos dos poderosos, tributai ao Senhor glória e força.   
2 Tributai ao Senhor a glória devida ao seu nome; adorai o Senhor vestidos de trajes santos.   
3 A voz do Senhor ouve-se sobre as águas; o Deus da glória troveja; o Senhor está sobre as muitas águas.   
4 A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é cheia de majestade.   
5 A voz do Senhor quebra os cedros; sim, o Senhor quebra os cedros do Líbano.   
6 Ele faz o Líbano saltar como um bezerro; e Siriom, como um filhote de boi selvagem.   
7 A voz do Senhor lança labaredas de fogo.   
8 A voz do Senhor faz tremer o deserto; o Senhor faz tremer o deserto de Cades.   
9 A voz do Senhor faz as corças dar à luz, e desnuda as florestas; e no seu templo todos dizem: Glória!   
10 O Senhor está entronizado sobre o dilúvio; o Senhor se assenta como rei, perpetuamente.   
11 O Senhor dará força ao seu povo; o Senhor abençoará o seu povo com paz. 

Nosso refúgio / Salmos – Capítulo 46


1 Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.  
 
2 Pelo que não temeremos, ainda que a terra se mude, e 

ainda que os montes se projetem para o meio dos mares;  
 
3 ainda que as águas rujam e espumem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza.   

4 Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o 

lugar santo das moradas do Altíssimo. 
  
5 Deus está no meio dela; não será abalada; Deus a ajudará desde o raiar da alva.   

6 Bramam nações, reinos se abalam; ele levanta a sua voz,

 e a terra se derrete.  
 
7 O Senhor dos exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio.   

8 Vinde contemplai as obras do Senhor, as desolações que 

tem feito na terra.   

9 Ele faz cessar as guerras até os confins da terra; quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo. 
  
10 Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; sou exaltado 

entre as nações, sou exaltado na terra. 
  
11 O Senhor dos exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Homem: o ponto de vista da Bíblia Sagrada!

 As Escrituras Sagradas não exibem uma antropologia rica em formas e detalhes. A Bíblia jamais propõe elaborar ciência sobre o ser humano e o Ser Divino. Dá ênfase à plena demonstração histórica das ligações da criatura humana e seu Criador. Todavia, no centro desse relato da procura do celestial, particularmente, a Bíblia apresenta muitas delineações antropológicas. À medida que os filósofos retratam o homem como “animal racional”, a Bíblia o apresenta como “imagem de Deus”.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Deus O Criador

O  PREÇO DA GRAÇA DE DEUS | | De que modo uma pessoa é salva? É por benemerência dela? É pelas façanhas que ela produz? É pela penitência que ela pratica? Açoitando o corpo, indo viver dentro do convento, fazendo sacrifício numa vida de ascetismo?  Não é nada disso, pois a salvação é um presente de Deus, é uma dádiva; a salvação chega até nós por meio da graça divina, é um favor do Senhor que não merecemos.

Por mais religiosa que a pessoa seja, ela nunca alcançará a salvação por mérito próprio. Mesmo que possua boas intenções é reprovada ao passar pelo exame justo do Senhor. Então, Deus em seu imenso amor nos oferece a maravilhosa graça, para que não pereçamos.

Graça é aquilo que não somos dignos de ganhar e necessitamos, não merecemos a salvação e, no entanto precisamos dela. A graça é um favor imerecido que Deus oferece aos homens. Ninguém será salvo por mérito próprio, porque o modelo de vida para ser salvo é viver sem pecar. O homem não é perfeito, mesmo que se esforce para cumprir a Lei de Deus, tropeça em diversos pontos e é culpado da Lei em sua íntegra. O ser humano é incapaz de ser perfeito quanto às obras, pois tropeça em suas obras, falha quando fala e falha ao pensar.

O termo "graça" traz a ideia errada de coisa gratuita, o que leva a pensar que é coisa insignificante e sem valor.  Mas, mesmo oferecida ao ser humana sem a cobrança de preço algum, ela custou muito caro para Deus e para Jesus Cristo. Como o ser humano é incapaz de salvar a si mesmo, por Deus não deixar passar desapercebida à quebra da sua lei e à violação da sua justiça, enviou o seu Filho único, que jamais pecou, para morrer no lugar de todos os pecadores. Deus lançou sobre Jesus os nossos pecados, e Jesus levou os nossos pecados até a cruz e lá na cruz Jesus rasgou o escrito das nossas dívidas e as pagou – morrendo em lugar de toda a humanidade pecadora. E assim Jesus pôde bradar: “está consumado”, isto é, a dívida está paga. Desta maneira, o ser humano alcança a graça, que não foi gratuita para Deus e nem para Cristo, custou um preço muito caro , custou o derramamento do sangue de Jesus Cristo na cruz, como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

Pense nisso.